Nota de repúdio à violência contra o povo Kaiowá e Guarani.

16/06/2016 20:09

Articulação Nacional de GTs Questão Indígena da AGB

Nota de repúdio à violência contra o povo Kaiowá e Guarani

A Articulação Nacional de Grupos de Trabalho sobre a Questão Indígena da Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB), vem a público manifestar total repúdio à violência que atinge o povo Kaiowá e Guarani em Mato Grosso do Sul empreendida pela grilagem de terras indígenas realizada pelos setores do agronegócio. Ação violenta contra a legítima luta de retomada de seus territórios originários que foram usurpados por fazendeiros, como a que foi realizada em 14 de junho 2016 no Tekoha Tey'i Juçu (Caarapó/MS). 

Há décadas que os Kaiowá e Guarani lutam para efetivar os direitos garantidos pela Constituição e resistem, incansavelmente, contra as ações de violência protagonizadas pelo agronegócio, que dizima suas terras, suas famílias e destroem o ambiente. Sob a falácia do crescimento econômico que se realiza pela concentração de terras e renda amparados pela ação criminosa de grilagem de terras promovem cotidianamente os assassinatos (de crianças, jovens e adultos), ataques químicos, atropelamentos, desmatamento, contaminação dos solos e águas e tantas outras ações que constituem um quadro de terror em Mato Grosso do Sul. 

As denúncias sobre as diversas formas de violência que os povos indígenas sofrem por todo o Brasil comprovam a barbárie que se vive no campo brasileiro. 

Não podemos aceitar a omissão do Estado brasileiro frente a este genocídio. E não aceitaremos as investidas desse governo ilegítimo, por meio das ações do Ministro da Justiça, que corrobora com esta violência, sobre o pretexto de defender os direitos dos proprietários de terra. 

TODA FORÇA AOS KAIOWÁ E GUARANI! 
TERRA VIDA JUSTIÇA E DEMARCAÇÃO! 
FIM DA IMPUNIDADE DE FAZENDEIROS ASSASSINOS QUE PROMOVEM A BARBÁRIE E O EXTERMÍNIO DOS POVOS INDÍGENAS!
-- 
Articulação Nacional de GTs Questão Indígena - AGB

Voltar